Quem és tu no Japão?
O Japão vale cada tostão

O Japão vale cada tostão

O Japão é percepcionado como um país caro, mas a realidade é muito diferente. Consegue-se ir muito longe apenas com uns tostões*.

 

Quando falamos sobre o Japão, a curiosidade dos meus amigos é muita. Tanta que para se refrearem de ir logo de seguida comprar um bilhete de avião, interrompem a conversa com a típica frase “Mas deve ser muito caro”, ou “É preciso ter dinheiro” (a minha preferida).

Confesso que a primeira vez que fui ao Japão, muni-me de cartões de crédito com plafond consideráveis e pensei que os iria ficar a pagar até ao ano seguinte.

Regressei com uma ideia muito diferente, e mais importante, com muito mais dinheiro do que esperava.

Não quero com isto dizer que o Japão não tem um nível de vida mais elevado do que outros destinos turísticos, mas é possível fazer uma viagem ao Japão com o mesmo orçamento de uma viagem ao Brasil ou mesmo a Cabo Verde. Arriscaria mesmo a dizer que pode ficar, pelo menos, ao mesmo preço do que 15 dias no Algarve no meio de Agosto e com praia incluída.

E para além do mais, vale cada tostão.

 

O que é caro e o que é barato no Japão.


No Japão, o mais caro são os transportes e a hospedagem.


Os transportes são muito eficientes, limpos e seguros e isso tem um preço, que já não é tão discrepante comparativamente com os de Portugal.

A hospedagem é cara, porque o espaço disponível para habitação no Japão é muito reduzido (cerca de 20% do país é que é habitável), o que torna o metro quadrado no Japão um dos mais caros do mundo. Aliás, no auge do boom económico dos anos 80 um quarteirão em zonas como Ginza chegaram a ser mais valiosos do que o valor imobiliário de certos estados americanos. Diz-se que nessa altura a área do palácio imperial valia mais do que todos os imóveis da Califórnia.


Talvez tenha vindo daí a percepção de que o Japão era um destino caro.

No entanto há alternativas muito acessíveis.
Em termos de hospedagem há um serviço, que já mencionei num dos meus artigos, denominado Yokoso Japan nos aeroportos e estações da JR (Japan Railways) que ajudam a encontrar e reservar quartos para estrangeiros até um tecto máximo de 8.000 ienes por noite (sensivelmente 65€).

Nos transportes há o JR Pass para os turistas, que tornam as deslocações entre cidades no Japão bastante acessíveis e cómodas. Há também incentivos a descontos nos voos internos para quem compre um voo internacional para o Japão.

Em termos de acesso a eventos culturais, acesso a museus, e atrações turísticas, depende um pouco do nível do evento em questão. Vão muitas vezes do gratuito até, em raros casos, aos milhares de ienes.

Mas é na alimentação que vem a grande surpresa.


No Japão pode-se comer até mais não.
 

Ao contrário do que se pode pensar no ocidente, no Japão não se come sushi todos os dias. E mesmo o sushi, outrora uma refeição inacessível ao comum dos japoneses, é hoje em dia muito em conta.


O que gosto mais de comer no Japão são os Ramen e Soba.

Felizmente essa moda começa a chegar a Portugal, o que fará com que os preços cá cheguem a valores mais aceitáveis.
No Japão é normal comer uma refeição de Ramen por menos de 1000 ienes (sensivelmente 8€), por isso, apesar de já existirem cá uns bons restaurantes de Ramen, custa-me pagar o dobro ou mais por uma tigela de Udon com 3 fatias de porco num caldo de peixe.
Recentemente vi uma reportagem na NHK (canal japonês de televisão) que falava exatamente dessa realidade, como os japoneses recusavam-se a pagar tanto por um Ramen. Nessa reportagem um deles dizia que custava-lhe pagar mais de 6 dólares por um Ramen!
Em São Francisco, a mesma cadeia de restaurantes de Ramen cobrava 39 dólares por uma porção com wagyu (carne de vaca japonesa), enquanto no Japão o valor era de metade. E mesmo assim, no Japão 70% dos clientes eram turistas.

Isto para dizer, que fiquei muito surpreendido por comer muito bem no Japão por tão porco, perdão, pouco.

 

 

 

*Para os mais novos, tostões não são tostas gigantes, mas sim uma fração (10 centavos) da antiga moeda portuguesa: o escudo. Como reavivaram os paus em relação aos Euros, lanço aqui o desafio de designarem tostões às moedas de 10 cêntimos.

 

AUTOR: JORGE FERRAO


Com tantos entraves e condicionantes que tem vindo a acontecer neste últimos anos, não ir ao Japão já não é uma questão. Conheça quais as condições para poder finalmente realizar uma viagem de uma vida ou, se for o caso, redescobrir o Japão atual após o isolamento devido ao Covid-19.

11 SETEMBRO 2022
SABER MAIS

O Verão é a época do ano com mais tradições e matsuri no Japão e é também a melhor altura para passar cartão aos amigos e familiares.

26 AGOSTO 2022
SABER MAIS

Agora já podes FUJIR para o Japão, mas com algumas condições. Se quiseres saber quais são, lê o artigo.

15 JUNHO 2022
SABER MAIS

No japão há bonecos e mascotes para quase tudo, até para mandar vir chuva. Teruterubouzo é um boneco muito simples que não só controla o tempo como resiste à passagem do tempo.

08 ABRIL 2022
SABER MAIS

Iroha é o equivalente ao nosso ABC. É um pangrama que se transformou numa canção ou ladainha e que a maioria dos japoneses conhecem. O que a torna uma curiosidade para nós, ocidentais, é a sua utilização. Uma forma divertida de ordenar e memorizar um alfabeto.

31 JANEIRO 2022
SABER MAIS

Tawashi é uma pequena escova que existe há mais de um século no Japão e que tem uma história curiosa, por isso dizer que lavar com Tawashi é limpinho é pouco.

30 NOVEMBRO 2021
SABER MAIS

As beringelas são dos vegetais mais apreciados no Japão. Há muitas maneiras de as confecionar e apreciar. Se quiserem saber um pouco mais desta magnífica iguaria é só carregar no botão

31 MAIO 2021
SABER MAIS

Gyoza é uma entrada japonesa originária da China, que o Japão a transformou à sua maneira. Quem gosta de Gyoza deve carregar no saber mais.

25 MARÇO 2021
SABER MAIS

Sempre que vou a um restaurante japonês, penso "Dá-me Edamame" e a refeição começa logo bem. Edamame é mais do que um aperitivo, é um cimento social que solidifica relações inter-pessoais. Se quiseres saber do que estou a falar, lê o meu post.

09 MARÇO 2021
SABER MAIS