Quem és tu no Japão?
O Japão vale cada tostão

O Japão vale cada tostão

O Japão é percepcionado como um país caro, mas a realidade é muito diferente. Consegue-se ir muito longe apenas com uns tostões*.

 

Quando falamos sobre o Japão, a curiosidade dos meus amigos é muita. Tanta que para se refrearem de ir logo de seguida comprar um bilhete de avião, interrompem a conversa com a típica frase “Mas deve ser muito caro”, ou “É preciso ter dinheiro” (a minha preferida).

Confesso que a primeira vez que fui ao Japão, muni-me de cartões de crédito com plafond consideráveis e pensei que os iria ficar a pagar até ao ano seguinte.

Regressei com uma ideia muito diferente, e mais importante, com muito mais dinheiro do que esperava.

Não quero com isto dizer que o Japão não tem um nível de vida mais elevado do que outros destinos turísticos, mas é possível fazer uma viagem ao Japão com o mesmo orçamento de uma viagem ao Brasil ou mesmo a Cabo Verde. Arriscaria mesmo a dizer que pode ficar, pelo menos, ao mesmo preço do que 15 dias no Algarve no meio de Agosto e com praia incluída.

E para além do mais, vale cada tostão.

 

O que é caro e o que é barato no Japão.


No Japão, o mais caro são os transportes e a hospedagem.


Os transportes são muito eficientes, limpos e seguros e isso tem um preço, que já não é tão discrepante comparativamente com os de Portugal.

A hospedagem é cara, porque o espaço disponível para habitação no Japão é muito reduzido (cerca de 20% do país é que é habitável), o que torna o metro quadrado no Japão um dos mais caros do mundo. Aliás, no auge do boom económico dos anos 80 um quarteirão em zonas como Ginza chegaram a ser mais valiosos do que o valor imobiliário de certos estados americanos. Diz-se que nessa altura a área do palácio imperial valia mais do que todos os imóveis da Califórnia.


Talvez tenha vindo daí a percepção de que o Japão era um destino caro.

No entanto há alternativas muito acessíveis.
Em termos de hospedagem há um serviço, que já mencionei num dos meus artigos, denominado Yokoso Japan nos aeroportos e estações da JR (Japan Railways) que ajudam a encontrar e reservar quartos para estrangeiros até um tecto máximo de 8.000 ienes por noite (sensivelmente 65€).

Nos transportes há o JR Pass para os turistas, que tornam as deslocações entre cidades no Japão bastante acessíveis e cómodas. Há também incentivos a descontos nos voos internos para quem compre um voo internacional para o Japão.

Em termos de acesso a eventos culturais, acesso a museus, e atrações turísticas, depende um pouco do nível do evento em questão. Vão muitas vezes do gratuito até, em raros casos, aos milhares de ienes.

Mas é na alimentação que vem a grande surpresa.


No Japão pode-se comer até mais não.
 

Ao contrário do que se pode pensar no ocidente, no Japão não se come sushi todos os dias. E mesmo o sushi, outrora uma refeição inacessível ao comum dos japoneses, é hoje em dia muito em conta.


O que gosto mais de comer no Japão são os Ramen e Soba.

Felizmente essa moda começa a chegar a Portugal, o que fará com que os preços cá cheguem a valores mais aceitáveis.
No Japão é normal comer uma refeição de Ramen por menos de 1000 ienes (sensivelmente 8€), por isso, apesar de já existirem cá uns bons restaurantes de Ramen, custa-me pagar o dobro ou mais por uma tigela de Udon com 3 fatias de porco num caldo de peixe.
Recentemente vi uma reportagem na NHK (canal japonês de televisão) que falava exatamente dessa realidade, como os japoneses recusavam-se a pagar tanto por um Ramen. Nessa reportagem um deles dizia que custava-lhe pagar mais de 6 dólares por um Ramen!
Em São Francisco, a mesma cadeia de restaurantes de Ramen cobrava 39 dólares por uma porção com wagyu (carne de vaca japonesa), enquanto no Japão o valor era de metade. E mesmo assim, no Japão 70% dos clientes eram turistas.

Isto para dizer, que fiquei muito surpreendido por comer muito bem no Japão por tão porco, perdão, pouco.

 

 

 

*Para os mais novos, tostões não são tostas gigantes, mas sim uma fração (10 centavos) da antiga moeda portuguesa: o escudo. Como reavivaram os paus em relação aos Euros, lanço aqui o desafio de designarem tostões às moedas de 10 cêntimos.

 

AUTOR: JORGE FERRAO


As beringelas são dos vegetais mais apreciados no Japão. Há muitas maneiras de as confecionar e apreciar. Se quiserem saber um pouco mais desta magnífica iguaria é só carregar no botão

31 MAIO 2021
SABER MAIS

Gyoza é uma entrada japonesa originária da China, que o Japão a transformou à sua maneira. Quem gosta de Gyoza deve carregar no saber mais.

25 MARÇO 2021
SABER MAIS

Sempre que vou a um restaurante japonês, penso "Dá-me Edamame" e a refeição começa logo bem. Edamame é mais do que um aperitivo, é um cimento social que solidifica relações inter-pessoais. Se quiseres saber do que estou a falar, lê o meu post.

09 MARÇO 2021
SABER MAIS

O Ramen era um prato, até há pouco tempo, desconhecido pela maioria dos portugueses. Tem tido uma crescente procura no ocidente. MAs como era no Oriente?

04 MARÇO 2021
SABER MAIS

Miso Shiru é uma sopa japonesa, que tal como o sushi, caracteriza a comida japonesa no seu geral. Mas é muito mais do miso.

18 FEVEREIRO 2021
SABER MAIS

O Kit kat no Japão tem uma oferta que promete, chegando a ter tido mais de 300 edições limitadas de diferentes sabores. Gosto mais de chocolate preto mas o Kit kat de match não fica atrás.

16 FEVEREIRO 2021
SABER MAIS

O pão, ou pan como se diz em japonês, foi levado pelos portugueses no séc XVI para o Japão, mas evolui de tal forma que, hoje é uma atracção para os olhos e para a boca.

11 FEVEREIRO 2021
SABER MAIS

As sobremesas no Japão também são de modas. Umas mais trendy que outras mas todas elas saborosas. Descobre aqui a que estava na moda quando fui lá pela última vez.

09 FEVEREIRO 2021
SABER MAIS

As bebidas no Japão não são só para beber, elas são para ver. Os japoneses gostam muito de coisas Kawaii e com o advento das redes sociais a partilha de fotos de comidas e bebidas cresceu brutalmente. Escolher uma bebida no Japão não é só pelo sabor mas também pelo aspecto. Afinal os olhos também bebem.

04 FEVEREIRO 2021
SABER MAIS